sábado, 13 de novembro de 2010

Apresentação

Os 30 Anos da Coxilha Nativista
Retrospectiva das Edições


Música, Cenário, Cultura, Arte, História, Indumentária, Nativismo.
Esta é uma série de reportagens que conta um período de 1981 a 2010. Produzido para os apreciadores de cultura, colecionadores de história e dedicados à leitura, apresento uma pesquisa desenvolvida através de documentos, imagens, textos e entrevistas. Me dediquei por aproximadamente oito meses à história de um festival que conquista 30 anos de sucesso ininterrupto. Este estudo retrata os 30 anos da Coxilha Nativista numa retrospectiva do festival que, há três décadas produz música nativista de nossa terra, lançando em discos. Desde o vinil em LP ao CD, as obras dos compositores são imortalizadas pelas vozes de consagrados intérpretes. A cada ano, artistas de todos os lugares do estado, do Brasil e da América Latina defendem as canções no palco do festival e elevam o público. Sotaques e estilos variados unem os povos e constroem ao longo dos anos um sólido amor pelas coisas do pago.
A Coxilha Nativista lançou intérpretes, compositores, arranjadores e músicos que se consagraram e hoje retornam ao berço para dar continuidade ao nativismo. Considerado o maior festival de música nativista do país, o evento maior de Cruz Alta e do Rio Grande do Sul, eleva esta cidade cercada por verdes coxilhas. Une a arquitetura histórica e antiga, através dos prédios centenários que embelezam o movimento urbano abraçado pelos matagais campeiros. No centro de Cruz Alta é situado o Ginásio Municipal, local que todos os anos reúne celebridades nativistas para a realização do evento.
A cultura não tem preço, ela é rica e indispensável. A arte é vida e alimenta a alma dos que amam e desfrutam deste universo intensamente.
Quero agradecer a todos que contribuíram de alguma forma para a concretização desse trabalho de pesquisa, seja com informações, com o uso de sua imagem para as lentes da minha máquina fotográfica, o empréstimo de documentos para a realização da pesquisa e inspiração de meu alimento intelectual. Aos amigos, pela compreensão nas horas de renúncia e ausência, pelas palavras de carinho e incentivo, pelo apoio à continuidade desse projeto hoje concretizado. Agradeço à minha mãe Maria Joana pelo carinho e apoio, ao meu amigo Saulo Cemin, pela força e perspicácia, à Maritza Maffei, pela revisão dos textos e em especial à diretora do Jornal Estilo, Jussara Moura Beck, por apostar no meu trabalho e permitir que esta ideia se realizasse. Aos colegas da empresa jornalística que em mim confiaram, pelas colaborações, esforço e companheirismo nos momentos de trabalho.
Esta pesquisa foi publicada em caderno jornalístico em 36 páginas. Ofereço esse material para todas as pessoas que amam de verdade esta terra, que apreciam a leitura, que valorizam cultura, arte, fotografia, música, história e nativismo. Almejo que esse seja um objeto de pesquisa para bibliotecas e museus, não apenas guardado nas prateleiras e armários, mas que sirva de documento como resgate histórico e cultural. E que nunca deixemos morrer a nossa história.
Boa leitura!

Rômulo Seitenfus - Jornalista e Fotógrafo






Este jornalista respondendo as perguntas de Jorge Freitas sobre a pesquisa histórica dos 30 anos da Coxilha Nativista em entrevista ao vivo para o telão da finalíssima da 30ª Coxilha








O Começo
Tudo começou com um grupo de jovens idealistas da cultura que se reuniam para desenvolver projetos artísticos. A ideia de realizar um festival de músicas em Cruz Alta surgiu em Santa Maria (RS). O idealizador do evento, no final dos anos 70 e início dos anos 80, Antonio Augusto Sampaio da Silva, mais conhecido como “Baianinho”, frequentava os festivais de música e voltou inspirado da 1ª Tertúlia Nativista de Santa Maria. Antes disso, já acompanhava a Califórnia de Uruguaiana (RS) e outras programações culturais. Assumindo a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Cruz Alta, em Janeiro de 1981, foi o criador do maior evento cultural da região. Seu pai era o então prefeito municipal naquela gestão, Humberto Ferreira da Silva, baiano de naturalidade. Naquele mesmo ano, surge a Primeira Coxilha Nativista.
O acervo musical gerado pelo festival, é intensamente estruturado no país. A cada ano, as músicas vencedoras fazem parte da gravação do disco oficial do evento, que se difunde como rica obra cultural do estado. Ultrapassa as fronteiras geográficas, sendo reconhecido por artistas e apreciadores de toda América Latina.
O termo “Coxilha” vem do espanhol (Chuchilla). Substantivo feminino, brasileirismo próprio do Rio Grande do Sul. Pela geografia, são montes de terra com elevações acentuadas. Sentimento de amor à terra natal, às coisas do pago, o termo “Nativista” provém de nativo, natural. Nasce com a cultura do indivíduo.
A história narra um período que vai de 1981 a 2010. Documentos, imagens e informações, registram a cultura do povo gaúcho, valorizando os talentos artísticos da nossa terra. O festival de música mais antigo do Rio Grande do Sul sem interrupção, traz personalidades, música nativista, moda campeira, cenários tradicionalistas. Expressa os sentimentos da alma nativa e incentiva a arte.

Ensaio Fotográfico das Prendas Que Fizeram História - Fotógrafo Rômulo Seitenfus

Bibiana Ribas
Ana Paula Inhoff
Fernanda Costantin


Prendas da 30ª Coxilha

Camila Martins Basso - Prenda da 29ª Coxilha Nativista

Gabriela da Fontoura Machado - Prenda da 21ª Coxilha Piá

Patrícia dos Santos Faria - Prenda da 10ª Coxilha Nativista e a 1ª Prenda eleita da história do festival

Gracieli Manjabosco - Prenda da 19ª Coxilha Nativista

Greice Vargas - Prenda da 24ª Coxilha Nativista

Prendas Que Fizeram História
Camila, Greice, Gabriela, Patrícia e Gracieli
Produção e Fotos: Rômulo Seitenfus

Entrevista com Alex Della Méa: Uma discussão sobre os trinta anos da Coxilha



Entrevista e Foto: Rômulo Seitenfus

Ele presenciou todas as edições da Coxilha Nativista, desde a primeira até a mais recente. Em seu segundo ano consecutivo frente à coordenação do evento, o Secretário de Cultura de Cruz Alta, Alex Della Méa, relembra a trajetória de sucesso, os momentos de crise e os altos e baixos do mais antigo festival que, aos 30 anos ininterruptos mantém-se como o maior festival da história do Rio Grande do Sul. Nesta entrevista, ele discute com o jornalista sobre as mudanças tecnológicas que o tempo apresentou, aponta as músicas mais marcantes dos festivais do estado, relembra canções e artistas que nasceram da Coxilha e reflete sobre estilos musicais como requisitos de festivais. Explica o porquê da Coxilha estar fora de projetos de Incentivo à Cultura, levanta a possibilidade de tornar o evento não-competitivo e esclarece que ainda muitas edições estão por vir. Chegada a tão esperada trigésima edição, o secretário comemora com êxito a sua organização, e se revela um conhecedor nato da história do festival.



O que o senhor lembra da primeira edição da Coxilha Nativista em 1981?
A primeira edição na verdade causou uma expectativa enorme na cidade, porque era uma novidade. O próprio termo “Nativista” era até então pouco usado. Buscou-se um termo semelhante da Tertúlia, talvez até por influência da própria que foi uma espécie de festival modelo para nós, inspirando a Coxilha nos anos 80. As pessoas que organizaram a 1ª edição, foram à Tertúlia de Santa Maria, e trouxeram um modelo para Cruz Alta que depois foi se aprimorando com a participação de muitas pessoas que ajudaram no início. Nomes importantes figuram nesta história. Rubens Dario Soares e Aparício Silva Rillo, tiveram papel fundamental nos primeiros momentos e ajudaram bastante. Pessoas daqui como o grupo Pôr do Sol, da época do Anildo Lamaison, Beto Barcellos, importantes nesse pontapé inicial. Claro que a pessoa mais importante nesse contexto foi o Baianinho (Augusto Sampaio da Silva). Com o apoio do prefeito, Dr. Humberto Ferreira da Silva, Baianinho assumiu a ideia e a prefeitura abraçou-a desde o inicio. Teve um papel fundamental, decisivo, importante porque como secretário, lapidou a ideia, foram até Santa Maria, observaram, espelharam-se na organização de um festival que envolveu uma série de coisas e deram esse pontapé. A Coxilha iniciou lá no antigo Cine Rio e o acampamento, que naquela época os festivais não eram profissionais, eram amadores. Não existia ajuda de custo, os músicos vinham pelo prazer da arte, pela busca do espaço, pela oportunidade de gravar uma música em um LP, porque naquela época para gravar um disco era algo muito difícil.

Porque naquela época só existiam as grandes gravadoras nacionais...Sim, somente as grandes gravadoras. Então não havia essa facilidade que temos hoje de gravar um disco em casa. Tu gravas um disco nos estúdios aqui de Cruz Alta com excelente qualidade. Nos anos 70, início dos anos 80, a coisa era bem difícil. Para os cantores nativistas, os festivais impulsionaram, tiveram um grande salto a partir dos festivais e a Coxilha desempenhou um papel muito importante para eles.
As coisas eram difíceis em outros aspectos também. Lembro da primeira Coxilha em 1981, que foi criado o acampamento na cidade de lona. A Coxilha não foi a pioneira nisso. Essa ideia vem de Santa Maria e de Uruguaiana, da Estância do Minuano que fez a Tertúlia baseado na Califórnia - não foram prefeituras - não é a prefeitura de Uruguaiana e também não foi a prefeitura de Santa Maria e a Coxilha adotou esse modelo de festival, porém organizado pelo poder público municipal.

Que foi um modelo que vigorou até um bom tempo...
Sim, até o período que os festivais começaram a se profissionalizar quando os músicos começaram a gravar seus discos e construir carreiras solo. Então os festivais começaram a oferecer ajuda de custo para os músicos, que não foram mais para acampamentos e passaram a acomodar-se em hotéis. Passaram a ter um cuidado maior com a sua carreira, de uma forma mais profissional. Vários passaram a viver exclusivamente da música.

Em que ano aproximadamente ocorreu essa transformação?
Isso começou com muita intensidade no final dos anos 80. Acredito que até a sexta, 7ª Coxilha, ainda não se pagava ajuda de custo. Os músicos acampavam, porque era a forma mais acessível de ficar na cidade e depois isso começou a tomar outro perfil.
Tanto em Cruz Alta quanto em Uuguaiana, Santa Maria e nos demais festivais.
Hoje, com a profissionalização dos músicos e dos festivais a realidade é outra, bem diferente.


Como foi a transição do local Cine Rio para o Ginásio Municipal?
Essa transição se impôs porque o Cine Rio, que era o maior cinema da cidade, se tornou pequeno para a grandiosidade do evento. Para acomodar um número maior de pessoas buscou-se outra alternativa.
O Ginásio Municipal foi a solução encontrada para acolher o grande público da Coxilha Nativista. Antes da Coxilha, quando aconteciam shows no Ginásio Municipal, os cantores cantavam na quadra mesmo. Eu lembro de ter assistido espetáculos e shows antes da Coxilha Nativista do Ginásio, com as pessoas cantando na quadra. A partir da segunda Coxilha Nativista, e que começou a montar palco no Ginásio, a cada ano montava-se e desmontava-se o palco.
Até a quinta coxilha, foi construído um palco definitivo e se construiu um palco com uma estrutura de concreto que ficou definitivo até hoje como palco fixo.
A Coxilha já está no Ginásio há 29 edições, desde a segunda, e a primeira foi lá no Cine Rio. Tínhamos três cinemas na cidade. O Cine Rex, onde hoje é o calçadão, o Cine Ideal, onde hoje é uma galeria de lojas e Cine Rio, na saída para Ijuí. O Cine Rio era o maior de todos, era grande e possuía espaço para uma platéia bem extensa, e o tamanho apresentava a possibilidade de construção do palco no Cine Rio.

A tecnologia de áudio e os efeitos visuais ainda não haviam alcançado o patamar que se tem hoje, mas é interessante pensarmos que mesmo com essas limitações do início do festival, sempre apresentou qualidade. Quais os maiores desafios enfrentados na linha tecnológica?
No começo de fato não tínhamos tantos recursos técnicos, os instrumentos, por exemplo, não era plugados. Eram todos acústicos mesmo, o artista colocava o microfone na boca do violão, era captação externa mesmo, as gaitas também tinham capacitação externa. Os instrumentos que se usavam eram mais restritos e depois começou a se ter maiores recursos tecnológicos. A Califórnia começou a fazer essa abertura maior para uso de instrumentos mais contemporâneos. Na época não se admitiam determinados instrumentos. Posteriormente, para o bem da música e para a qualidade musical, foi sendo aceita a sonoridade mais evoluída.


Então as pessoas preferiam manter a precariedade tecnológica por resistências culturais?
Porque na música o que importa é a sonoridade que você vai tirar dela, e nós aqui não tínhamos o porquê contemplar os festivais fazendo o uso apenas de um ou dois instrumentos. Na verdade de gaúcho mesmo nós só temos um instrumento musical que é o sopapo, de percussão construído pelos negros lá da região litorânea.
Então não teria o porquê barrar o uso de um piano, violino, violoncelo, ou de um instrumento qualquer. E os festivais foram abrindo esse espaço também para grandes nomes manifestarem e aparecerem no cenário musical do Rio Grande do Sul. Ali no palco da primeira Coxilha, surgiu Jorge Almeida Neto, Renato Borguetti, Elton Saldanha. Alguns já haviam passado em outros festivais, na tertúlia de Santa Maria, na Califórnia de Uruguaiana, mas muitos estavam iniciando a carreira ali e chutavam seu pontapé inicial. A Coxilha Nativista foi muito importante nesse sentido, uma alavanca para o crescimento, para bons nomes da cultura do Rio Grande do Sul.

Em qual edição da Coxilha aproximadamente a tecnologia começou a avançar?
A cada ano ela sofreu modificações. Me lembro no Cine Rio, a sonorização da primeira edição era precária em relação à que temos hoje, e depois quando ela veio para o Ginásio na segunda edição começou a ter uma sofisticação maior. Na terceira edição os violões ainda eram microfonados, com capitação externa de som, eu acho que a partir da quarta ou quinta Coxilha começou a se utilizar os violões com captação interna. Os teclados enfim, começaram a ser usados e outros instrumentos também. Mas não consigo centralizar exatamente foi a edição. Um processo que foi acontecendo aos poucos e os festivais estão até hoje produzindo arte e lançando músicos de renome.

Na questão das mudanças tecnológicas, com a troca do LP pelo CD, as rádios tiveram uma certa dificuldade em mostrar novamente as músicas antigas da Coxilha...
Sim, antigamente as gravações eram feitas em rolo e demorava até quatro meses para chegar o disco. A exceção foi a 4ª Coxilha que saiu uma semana depois do festival. Foi uma coisa muito rápida com aquela polêmica da Morocha e o Patinete, produtor da Som Livre, um cara muito dinâmico. Ele dizia: “Não podemos perder essa oportunidade! Não podemos perder essa”. E não deu sete dias e o disco já estava pronto. Foi prensado no Rio de Janeiro pela Som Livre, vendeu quase sete mil cópias, uma coisa fantástica! Quando se refere hoje a hits, a gente ouve as pessoas comemorando: Fulano vendeu um milhão de cópias! É outra realidade e o caso de um evento cultural de festival com músicas variadas na época, uma coletânea vender cinquenta mil cópias, era uma coisa inimaginável ainda é até hoje. Então vender cem mil cópias é disco de ouro. Realmente aquele disco foi uma exceção. Agora essa mudança que tu dizes, para os festivais foi muito benéfica, barateou muito o custo nesse sentindo e o avanço das tecnologias para os festivais foi muito bom.

Mas ao mesmo tempo houve uma queda dos festivais...
Não, essa queda se deu muito por desinteresse de público. Muitos festivais caíram por interesses políticos, porque assim: O prefeito fazia um festival e então entrava um outro prefeito e não continuava as edições daquele festival ou fazia com outro título, então era muito descabido. Nós chegamos a ver cidades com três, quatro festivais de títulos diferentes mas que realizou uma ou duas edições e não realizou mais.
Felizmente a Coxilha foi uma exceção e isso garantiu sua permanência.
Então na verdade teve isso também, teve a questão da profissionalização geral dos festivais que se tornaram caros. Um evento como a Coxilha Nativista hoje, de oito dias de festival, é muito caro. Você tem de investir muito em cultura para fazer isso. Temos de manter a ajuda de custos dos artistas, investir em uma sonorização de qualidade, uma iluminação de qualidade, uma gravação de CD e DVD de qualidade, então quer dizer que temos de investir na qualidade total do evento, além é claro, do custo do cachê dos shows. Os shows hoje não são coisas baratas, até porque os artistas todos se profissionalizaram. Hoje a grande maioria vive exclusivamente da música. No início dos festivais os artistas tinham outras profissões e a música era um hobbie, era algo paralelo em sua vida. Hoje não, a grande maioria, 95% dos músicos vive exclusivamente da sua arte, do seu talento.

Se uníssemos os discos mais importantes da Coxilha com os também importantes de outros festivais, teríamos uma enorme relíquia cultural nativista. Se isso fosse possível, quais os festivais e discos o senhor gostaria de citar nesse exato momento?

Se fizermos um levantamento das 100 músicas que fizeram sucesso no estado do Rio Grande do Sul de 1981 para cá, no mínimo vinte delas são da Coxilha Nativista. E veja. Quantos festivais nós tivemos nesse período? Mais de setenta festivais. Temos discos que são de fato verdadeiras relíquias. Os discos da 4ª e 5ª Coxilha, juntamente com o da 10ª e 11ª Califórnia e também do 1º Musicanto, são verdadeiros achados da fonografia regional brasileira. Se juntássemos esses cinco LP’S da época, teríamos um álbum maravilhoso porque ali temos Recuerdos da 28, e Veterano, da 10ª Califórnia e mais um manancial fantástico da 11ª Califórnia: Desgarrados, Sabe Moço, Semeadura. Do 1º Musicanto, No Sangue da Terra Nada Guarani, Uma Canção Pra Minha Prenda, Vozes Rurais. Juntando esses LP’S e pegando, por exemplo, da 4ª Coxilha, temos cinco músicas nessas mostras de quarenta e por pouco não temos mais.
Temos Deja Hoje, Morocha, Morada, Palavra Bendita, e Gaitita, além de tantas outras da 4ª Coxilha. Na 5ª Coxilha temos Vento Norte, Segredos do Meu Gambicho, que são músicas que fizeram sucesso e fazem parte da história cultural do Rio Grande do Sul. Veja bem. Eu te citei cinco discos de festivais que saíram verdadeiros hinos da música do Rio Grande do Sul. Essa é a importância desses festivais e por isso que os bons não morrem, porque tem esse caráter e esse respeito da classe artística.

Quais os estilos que caracterizam a Coxilha e a diferenciam de outros festivais?
Aí tu vais analisar que um festival pode ser campeiro. Mas com que sotaque campeiro?
O campeiro da fronteira? O campeiro missioneiro? O campeiro serrano? Existem várias formas de um festival ser campeiro. A Coxilha eu te diria que é bem eclética, por exemplo, se tu pegares o Martin Fierro, de Livramento, é um festival extremamente fechado que toca músicas de fronteira com sotaque bem carregado fronteiriço, essa pegada da milonga. Se tu não entrares nesse estilo, estarás fora do festival. O Musicanto, por outro lado, é um festival extremamente aberto. A Moenda, por exemplo, de Santo Antônio da Patrulha é contemporânea, de música popular, mas que aceita a música nativista também e são festivais completamente abertos. A Coxilha está em meio a esses extremos, sua marca fundamental é o ecletismo. Porque a nossa formação cultural é eclética. Somos uma mescla de todos esses sotaques, do castelhano ao biriva, paulista, sorocabano, do missioneiro ao imigrante, gringo ao alemão. Não temos uma marca única, fundadora ou predominante e isso se reflete na Coxilha. Talvez por isso ela esteja tão forte e há tanto tempo, porque contempla a todos. Faz parte da nossa história, da nossa cultura, como fomos formados.

E qual a explicação cultural para essas diferenças?

Porque Cruz Alta não é uma cidade de fronteira, não tem aquele sotaque de fronteiriço. Não tem tradição das estâncias na sua história e considero um equívoco, por exemplo, desejar que o nosso festival se vincule a cantar a história da estância porque Cruz Alta não é terra de estancieiros. Cruz Alta tem outra formação e não se formou nas estâncias. Quem introduziu as estâncias do Rio Grande do Sul foram os padres jesuítas, mas as estâncias dos povoados missioneiros se espalharam pelo território. Ficou mais marcado na região da fronteira e campanha, no pampa gaúcho propriamente dito. Cruz Alta aceita essa música com sotaque da fronteira, aceita a música com esse sotaque missioneiro, aceita a música serrana e a urbana também. São exemplos assim que eu uso para dizer na música da fronteira que temos vários ícones, por exemplo: Adair de Freitas, que para mim é a maior expressão da música da fronteira na região de Santana do Livramento, assim como o Nelson Cardoso, também da mesma região da fronteira do lado de Uruguaiana. Tem César Passarinho, João de Almeida Neto, que é outro perfil de estilo fronteirista. Dentro da própria fronteira existem estilos distintos. Na música missioneira, por exemplo, não participavam de festivais concorrendo Noel Guarany, Cenair Maicá, Pedro Ortaça... Mas tem uma música - com essa característica que participou dos festivais - do Valdomiro Maicá, irmão do Cenair Maicá. Ele cantou várias vezes nos festivais e Cruz Alta aceita, até porque é uma cidade bem próxima da região missioneira. Tem esse sotaque missioneiro, como aceita o sotaque serrano também, que é essa música mais de baile.

O público da Coxilha também aceita bem a música urbana...
Sim, tanto que nós temos, por exemplo, Procissão, uma música lindíssima que venceu a 12ª Coxilha, música bem urbana e é uma música maravilhosa. A Coxilha aceita o que é bonito. Temos também na mesma edição Entrando no Bororé, uma música extremamente campeira, com sotaque missioneiro, estilo e pegada missioneira. O Rio Grande é múltiplo, ele não é uma coisa única. É um equivoco alguém querer dizer que só é gaúcho quem canta tal e tal música. O Rio Grande tem um matiz musical diverso e que representa no palco da Coxilha Nativista.


Quais as músicas que o senhor citaria de toda a história nessas três décadas de Coxilha Nativista?
Na primeira Coxilha temos Léguas de Solidão, uma música vencedora com um sotaque de campo, do Luiz Carlos Borges. A Morocha, por toda a sua popularidade. Uma música bem marcante que também temos é Bailanta do Tio Flor, vaneira maravilhosa com sotaque de campo do Elton Saldanha. Vencendo a segunda Coxilha, Terra Saudade, que não podemos dizer que é uma música campeira, mas um hino popular de Cruz Alta e que faz uma referência histórica.


O senhor citou a Morocha, que foi a música mais polêmica da história dos festivais. Ela é uma sátira ao machismo exagerado e inclusive teve discussões em mídias nacionais naquele ano de 1984...
Teve, o disco da 4ª Coxilha que foi produzido pelo Airton dos Anjos, que é o popular Patinete, ele é de Porto Alegre, esteve conosco agora fazendo as seleções das músicas que vão fazer parte da mostra histórica da Coxilha. É um produtor musical consagrado no Brasil, Produziu o disco na época pela Som Livre, a gravadora da Rede Globo. Quem diria. Esse disco então foi o que até hoje na Coxilha, teve o recorde de vendas de discos de festivais no Rio Grande do Sul, em função da polêmica da Morocha, que se estendeu Brasil afora. Com certeza ali a Coxilha adquiriu a maior idade, ali a Coxilha ficou conhecida no Brasil inteiro e ali a Coxilha passou a ser uma referência para os festivais do Rio Grande do Sul.

A Coxilha teve um ápice em sua história. Até quando ela manteve-se em alta?
Os festivais estavam brotando muito em várias cidades e esse ápice veio até a virada dos anos 90 e, por incrível que pareça, ele culminou o advento das gravações solo dos cantores. Antigamente quando uma pessoa queria escutar o Leopoldo Rassier, tinha de comprar um disco da Califórnia, da Coxilha, da Tertúlia, para escutar o Leopoldo, e também outros cantores como o César Passarinho, o João de Almeida Neto - quando gravaram os seus discos solo, os festivais começaram a perder espaço. Veja bem. Os festivais que os projetaram passaram a perder o espaço para os seus próprios filhos.
Porque o público começou a dar mais ênfase aos discos solo do que aos discos dos festivais.

E os discos dos festivais passaram a vender menos...

Tanto que hoje os discos de festivais, são raríssimas exceções - como será nossa Coxilha nesse ano - eles não fazem mais parte do circuito comercial. A Coxilha está voltando a fazer parte neste ano, após quase vinte anos fora desse circuito. Agora vamos fazer um contrato com a gravadora que vai nos permitir isso, a voltar ao circuito comercial, voltar a estar nas lojas, nos mercados que vendem discos. Mas o público voltou aos festivais, os grandes intérpretes também. Estamos praticamente com a mesma representatividade dos anos 90.



A Coxilha não possui hoje nenhuma ajuda de um projeto de incentivo à cultura?

Não, nós tentamos a Lei Rouanet. Conseguimos mas fora de tempo hábil para a captação dos recursos, que é o mais dificil. Lastimamos muito isso. Como é a Prefeitura Municipal, o proponente e entramos em um período eleitoral, isso nos dificultou. Não temos nenhum apoio nesse ano, nem da Lei de Incentivo à Cultura. Temos alguns apoios culturais direto de empresas, mas em termos de auxilio direto, como o material de divulgação, a exemplo da empresa jornalística Correio do Povo, que nos auxilia na mídia para o evento, a Ouro e Prata, que nos concede transporte, e a Universidade de Cruz Alta - Unicruz, que nos fornece o material de divulgação de sua gráfica. Então nesse ano temos apenas o apoio direto de algumas empresas.

A questão da possibilidade de o festival competitivo vir a se tornar apenas uma mostra não-competitiva futuramente. Isso existe mesmo?
Isso é o que nós vamos discutir e pensar ao longo da trigésima edição. Vamos ver como é que vai ser, como é que vai se dar essa questão da mostra. Vamos analisar como o público vai aceitar a ideia porque, isso é uma grande incógnita e também teremos de ver com os participantes.

Mas então a Coxilha corre o risco de estar perto de acabar?
Não, de forma nenhuma. O que pode acabar é a competição, talvez adotarmos o modelo latino-americano das mostras não competitivas. Nosso evento passou por um período mais crítico, hoje vive uma revitalização que com certeza vai garantir sua permanência ainda por muitos anos.
Eu já participei de Coxilhas Nativistas, com menos de duzentos pessoas no ginásio.
Logo quando comecei, que participei como compositor, já tivemos a Coxilha Nativista com mais de quatro mil pessoas no ginásio. Na terceira, quarta e quinta edição, o ginásio esteve lotado, mas tivemos edições também ali por volta da vigésima, em noites de sexta-feira com menos de duzentas pessoas nas arquibancadas do ginásio. Então queremos impulsionar para que a Coxilha seja cada vez melhor, cada vez maior. Esse é o nosso intuito. Essa hipótese, essa ideia da mostra, é uma coisa que pode vir a acontecer ou não, vai depender da resposta do público e também daqueles que atuam diretamente na Coxilha.

E, ao mesmo tempo, considerando toda a história, está se mantendo há trinta edições, o que já é uma vitória para o festival...
Sem duvida temos um festival à duras penas há trinta edições acontecendo. É uma vitória significativa, sem dúvida nenhuma.


A que o senhor atribui essa durabilidade toda, essa resistência ao tempo?

Eu acho que há vários aspectos, mas dois bem importantes. Um é a persistência dos que se mantiveram fazendo, coordenando, assumindo essa responsabilidade e outra fundamentalmente do povo, o público na medida em que levamos a Coxilha de volta ao encontro com a plateia, seja na parte musical ou da organização, assim tivemos respostas positivas do público e isso faz com que a Coxilha seja o que ela é até hoje, há quase três décadas uma história de vencedores.

Pérolas da Coxilha

Na tentativa de trazer aos meus leitores a fidelidade ao escrever a história do festival, ouvi personagens, fui a lugares inimagináveis, conversei com participantes e vencedores, organizadores e produtores. Leia algumas pérolas que marcaram momentos.




Os Meus Entrevistados

“Me recordo que em certa ocasião após minha apresentação com a música “Cascata de Piá”, na saída do palco fui cumprimentado por um homem que disse gostar muito de meu trabalho, me rasgou de elogios e conversamos muitas coisas e ao término de meia hora de conversa me chamou de Elton Saldanha! (Risos). Relembro também que o mais esperado para mim e os músicos em geral era ver o palco que seria apresentado, os cenários que eram criados para a Coxilha, pois eram os melhores criados na época, momentos que o marcaram as primeiras edições da Coxilha.”
Eraci Rocha

“Em 1999, quando eu estreava nos palcos do nativismo, meu primeiro festival, e que logo após sairmos do ginásio nos reunimos no Bar do Miguel e lá pelas tantas um gaúcho vem e pede para eu tirar um foto dele com algumas gurias. Eu brinquei que não tiraria foto de macho. O que eu não sabia é que o gaúcho na minha frente era o Luiz Marenco, que logo se tornaria um grande amigo meu. O engano ocorreu e na ocasião eu não sabia quem era o gaúcho e hoje, tenho o prazer de ter gravado junto com Marenco.”
Pirisca

"Um fato que marcou na Coxilha pra mim, foi em 1984. Eu estava como espectador na plateia e subiu ao palco David Menezes Jr. Ele foi apresentar “Morocha”. Enquanto ele cantava a música mais polêmica da história, do meio da arquibancada vi uma senhora sair da mesa onde ela estava e foi para frente do palco. Ela apontava para David Menezes, que continuava a cantar e fazia gestos com o olhar para a senhora! (Risos). Isso me marcou muito, pois acabei sendo noticiado depois que isso teve uma grande repercussão nacional. Lembro também do início da minha trajetória nos palcos da Coxilha. Comecei pelas primeiras edições da Coxilha Piá, dando início à carreira artística."
Felipe Mello

“O que considero marcante é ter podido estar presente em quase todas as edições da Coxilha desde sua primeira edição, principalmente pelas conquistas que me trazem boas recordações. Também considero importante a ininterruptalidade do festival, que é bem difícil de alcançar.”
Vinícius Brum

“O que melhor me marcou na história das Coxilhas foi interpretar “Morocha” em 1984. Foi um momento único. Eu entreguei Morocha para Cruz Alta, que por sua vez deu ela ao Rio Grande, que a entregou ao Brasil e ao mundo. Jamais uma composição ganhou vôos tão altos como ela alcançou e causou tanta polêmica como ela criou, realmente é um momento único. Hoje podemos resgatar com muita emoção e carinho, pois queiram ou não queiram, Morocha é a grande música de todos os tempos da Coxilha Nativista de Cruz Alta. A Coxilha é o melhor festival do Rio Grande do Sul e tem músicas para se ouvir um mês inteiro. Mas como Morocha não tem igual. Em uma competição, o normal é não absorver as emoções de fora do palco. Mas com Morocha foi diferente. Houve uma interação tão grande com a plateia, que Morocha não foi apresentada ao público. Ela aconteceu e ficou na história.”
David Menezes Jr.


“Participar de um festival sério como a Coxilha que procura mostrar o que existe de positivo na música, na parte literária e também na parte musical, retornar à Coxilha depois de muitos anos, já com os meus 77 anos e ver os jovens, que são os continuadores da nossa cultura, do nosso empenho em manter os costumes do nosso Rio Grande, pelo Brasil, só me faz agradecer ao Patrão Maior. A busca pela parte literária da Coxilha continua muito boa. Todas as pessoas envolvidas na realização da Coxilha Nativista estão realmente de parabéns.”
Telmo de Lima Freitas

“Sem dúvida nenhuma o momento mais marcante foi na 4ª Coxilha realizada em 1984. Me lembro da emoção passada por David, com uma música totalmente diferente das outras, pelo seu tema (que era quase uma agressão as mulheres), num estado como o Rio Grande do Sul considerado pelos demais como machista. Transmitia por várias rádios do estado. Quando na mesma madrugada da apresentação de “Morocha”, todos os músicos retornaram para Porto Alegre e fomo de ônibus com eles. Eu e o Paixão Côrtes, morávamos na mesma região da capital e embarcamos no mesmo táxi. Por curiosidade me lembro que o taxista virou-se para trás e disse:
- Seu Paixão, o senhor não sabe o que aconteceu. Escutei no rádio ontem, um cara que bate na mulher com os pelegos. Eu vou comprar esse disco. Falei pra minha mulher e ela não acreditou. Seu Paixão, o que o senhor acha que vai acontecer?
Paixão levou as mãos na cabeça, me olhou e eu disse:
- Paixão, aconteceu. Vai ser um sucesso!
E foi o que aconteceu. Hoje foi emocionante ver o David interpretando novamente “Morocha” no palco da Coxilha. Foi até mais emocionante que da primeira vez.” (Falando sobre a apresentação de David Menezes Jr. na 30ª edição)
Ayrton dos Anjos, o Patinete, que em 1984 produziu o disco da Coxilha que lançou Morocha. Patinete trabalhava para a Som Livre.

Eles Fizeram Coxilhas


O atual Secretário da Cultura Alex Della Mea, coordenador das comemorações da 30ª edição da Coxilha Nativista, o ex-prefeito Luiz Pedro Bonetti, o ex-prefeito Fulvio Berwanger, que foi o responsável pelas comemorações da 10ª edição, a ex-Secretária de Cultura, Desporto e Turismo Marlene Bortoli Soares, que organizou as comemorações da 20ª edição na gestão de Bonetti.



Texto e Foto: Rômulo Seitenfus

Prefeitos e secretários reúnem-se nesta reportagem para relembrar os tempos de organização. Fulvio Berwanger, Marlene Bortoli Soares, Alex Della Méa e Luiz Pedro Bonetti, divertem-se ao memorar as pérolas e acontecimentos marcantes frente aos cargos que exerceram. O Secretário da Cultura, Alex fala dos desafios de organizar o festival nos dias de hoje. Marlene relembra com carinho o prazer de ter dirigido o maior evento cultural de Cruz Alta e conta cenas engraçadas. Fulvio cita grandes nomes do cenário cultural. Bonetti relata fatos, como a entrevista a um repórter curioso que perguntava sobre a origem do nome COXILHA.

Era uma noite chuvosa quando conversei com prefeitos e secretários que organizaram Coxilhas. A convite do Jornal Estilo, eles compareceram ao salão de festas do jornal, localizado no Rancho RB da Vila Ferroviária de Cruz Alta. O motivo, reunir histórias inusitadas. O barulho da chuva parecia acariciar o telhado. O ambiente era perfeito para a noite que traria cenas de 29 edições do festival nativista.
Fulvio Berwanger, além de fazer parte da Comissão Social, esteve à frente da organização como prefeito Municipal. Foi na comemoração dos dez anos do evento que Berwanger dirigia o seu mandato. Emocionado, expressa a alegria de ver o festival chegar à sua 30ª edição sem interrupções. Fulvio, que é proprietário de uma empresa gráfica que imprime materiais de divulgação, conta que também teve sua participação como empresário.
- Relembrar o passado vivido na edição de número 30 da Coxilha Nativista é algo que vem a emocionar, pois ter participado da história do evento como coordenador e desempenhar um trabalho precursor como empresário gráfico na elaboração e edição da Revista da Coxilha durante sete edições, é sinônimo de satisfação e orgulho – expressa.
Ressalta que teve uma grande colaboração de vários intérpretes de renome no cenário nativista que contribuíram com matérias e opiniões para o desfecho da revista como Paixão Cortês, Odília Camargo e Aparício Silva Rillo. Também enfatiza que nas primeiras edições da Coxilha Nativista acontecia as Tertúlias realizadas nas baias do Sindicato Rural.
- Eram cobertas com folhas de coqueiro. Em dias chuvosos era uma barra! – conta.
Fulvio relata os investimentos que realizou no Parque de Exposições.
- Em grande importância para a firmação do evento no município, a 8ª edição veio a marcar com a contribuição da construção do maior pavilhão do Parque de Exposições, que por todos esses anos foi possível manter as atividades lá fora – relembra.
Marlene Bortoli Soares, que foi Secretária de Cultura, Desporto e Turismo na gestão do prefeito Luiz Pedro Bonetti, organizou as comemorações dos 20 anos do festival. Relembra que quando esteve à frente dos trabalhos de coordenação da Coxilha, não tinha um grande conhecimento sobre o nativismo e tradicionalismo e que esta oportunidade lhe trouxe um bom aprendizado do cenário tradicionalista. Uma das mais marcantes e atuantes secretárias da história do festival, Marlene acredita que os maiores shows da Coxilha são as canções apresentadas no palco através dos artistas, e que a emoção de ver intérpretes e compositores do estado que contam a história da nossa terra, vem a ser mais relevantes ainda. A Secretária conta uma passagem divertida, digna de ser relatada nessa reportagem.
- Certa ocasião foi realizada uma parceria com a empresa de cerveja Kaiser, que patrocinou o festival. Para que ela fosse a fornecedora exclusiva de bebidas durante o evento, era preciso comercializar somente cervejas da marca. Só que havia uma dificuldade muito grande, pois na época ela era conhecida somente pelo seu garoto propaganda, o famoso “Baixinho da Kaiser”, que inclusive foi presença no festival. A bebida não tinha uma grande comercialização na cidade, mas para surpresa até mesmo do patrocinador, o frio que sempre foi característica forte do festival por se realizar sempre no inverno, naquele ano sumiu! O clima mudou e um calor tomou conta dos dias. O consumo de cerveja gelada foi grande e o estoque de bebidas esgotou-se antes do término do evento que, a empresa teve de solicitar aos mercados da cidade para abrirem no domingo - fato que não ocorria naquela época - para que fosse reposto o estoque de bebidas da Coxilha (produtos apenas daquele patrocinador). Acredito que a partir desse momento o pessoal da cidade se familiarizou mais com a marca da bebida – diverte-se Marlene.
O ex-prefeito Luiz Pedro Bonetti comenta que a Coxilha Nativista já estava na sua 2ª década quando ele esteve frente da gestão municipal e que o evento já havia se consolidado como um marco no cenário cultural do município. Ele traz a importância da Coxilha para a cidade e a compara ao saudoso Erico Verissimo, importante figura da história cultural.
Com brilho nos olhos e um sorriso no rosto, Bonetti relembra a história de entrevista a um repórter curioso.
- Um acontecimento ocorreu na 19ª edição. Um repórter de uma rádio da região de Bagé em uma entrevista que concedi a ele, quis saber o porquê do nome “Coxilha”. Na pergunta levantou a questão de que o nome não teria relação com música. Então respondi ao repórter que a Coxilha tem a ver com a lida de campo, pecuária, agricultura, produção, que o chão, a terra e o solo significam Coxilha e que o chão fecundo de Cruz Alta representa o nativismo. Essa foi a resposta para aquela ocasião. O nome Coxilha Nativista que parece não ter nada a ver com o evento aparentemente, é um festival de canção com um nome profundamente ligado à terra, respondi ao repórter – conta Bonetti.
O mais jovem de todos, o atual Secretário Alex Della Méa, participou como espectador de todas as edições do festival. Aos 13 anos foi assistir pela primeira vez no Cine Rio em 1981. Desde lá nunca mais deixou de ir aos festivais, mas não imaginava naquele ano, que estaria organizando as comemorações da 30ª edição. Relembra de ter visto grandes cantores e compositores gaúchos se consagrarem e muitos que surgiram na Coxilha Nativista, alguns na Coxilha Piá, como Renato Borghetti, Neto Fagundes, João de Almeida Neto, Miguel Marques, entre outros.
Alex cita a Coxilha como um dos principais eventos nativistas do estado. Para o atual Secretário de Cultura de Cruz Alta, foi importante o fato de nenhum dos organizadores terem deixado morrer o festival. Houveram diferenças políticas e partidárias e nem mesmo isso foi motivo de interrupção, a contrário de outros festivais nativistas. Salienta que esta 30ª edição está sendo marcada por um encontro de gerações.
- Nesta edição temos músicos que estiveram há muitos anos na sua primeira Coxilha, além de jovens talentos que buscam ingressar no cenário musical, como uma criança de apenas cinco anos de idade, que nesse ano sobe ao palco da Coxilha Piá – fala o atual secretário.

30ª Coxilha



Texto e Foto: Rômulo Seitenfus

Pirisca Grecco lançou a flecha perfeita ao corpo de jurados e à plateia do Ginásio Municipal. O intérprete cantou com sensibilidade e convenceu o júri, composto por Arthur Bonilla, Tadeu Martins, Sandro Cartier, Luís Cardoso e Jean Kirchoff. Os apresentadores Zeca Amaral e Analise Severo foram incansáveis nas oito noites do festival. Nos anos anteriores as edições iniciavam na quinta-feira com término previsto para o domingo. No ano de 2010, tudo foi inovado. O protocolo durou oito dias e o público pôde conhecer ou assistir novamente a apresentações das músicas que fizeram história da Coxilha nesses 30 anos. Após oito noites de cultura musical nativista, no sábado, 31 de julho, foi encerrada a 30ª edição do maior festival de música nativista do estado. O mais antigo sem interrupções presenteou o público com a reapresentação das melhores músicas, trazendo novamente ao palco do Ginásio Municipal - intitulado Palco Jaime Caetano Braum – intérpretes e representantes das músicas que fizeram história desde 1981. Foram quatro noites de Mostra Histórica não-competitiva e quatro noites de competição com as músicas da 30ª edição. No quinto dia, quarta-feira, 28, a voz forte de Fabiana Lamaison conquistou o 1º lugar da fase local. O 2º lugar ficou para a música Sem Tempo, com a interpretação de Emerson Martins. Encontro de Gerações, com Adair de Freitas, conquistou o 3º lugar, além de levar o troféu de Música Mais Popular, eleita pela imprensa.
Na sexta noite de festival, 29 de julho, quinta-feira, ocorreu a 26ª Coxilha Piá. Na categoria Piá Taludo, o 1º lugar ficou para Lucas do Couto Sobreira com Canto ao Pastoreio. Vitória Alessandra dos Passos conquistou o 2º lugar com No Calor do Inverno. Deise Veiga alcançou o 3º lugar com No Livro do Próprio Tempo. Na Categoria Piá, o 1º lugar ficou para Eduarda Rosa, com À Sombra de Um Cinamomo. Nicole Carrion ficou com o segundo lugar com Reinfância. O Jeito é Cantar conquistou o 3º lugar na interpretação de Isabelle Jung Mottini. Larissa Campos Brito levou o prêmio de Melhor Indumentária e Germano Fogaça foi premiado o Melhor Intérprete. O Destaque Especial ficou para Marcela Nascimento Monteiro.
Na noite de 30 de julho, sexta-feira, foram apresentadas as músicas da fase geral. A coordenação do evento decidiu que não haveriam selecionadas naquela noite, sendo que seriam definidas na fase seguinte. Por ser a 30ª edição, todas as músicas apresentadas na fase geral já estavam garantidas no disco e classificadas para a finalíssima.
A última noite, sábado, foi a mais esperada de todas. O ginásio lotou, não havendo mais espaço nas arquibancadas, nem nas mesas. A comissão organizadora decidiu fechar as portas do ginásio municipal, para evitar desconforto e garantir a segurança da plateia.
Doze músicas da fase geral e três composições da fase local disputaram o título da edição número 30. A qualidade das músicas foi considerada de bom nível. O intérprete Pirisca Grecco usou da sensibilidade para vencer a finalíssima e acertou o alvo do público e dos jurados com uma flechada certeira. A música O Arco e a Flecha é a grande vencedora da 30ª Coxilha Nativista. A composição campeã tem letra de Carlos Omar Villela Gomes e música de Piero Ereno.
Para show de encerramento, César Oliveira e Rogério Melo ergueram o público na última noite do festival.
As premiações da 30ª Coxilha Nativista:
1º lugar: O Arco e a Flecha - Pirisca Grecco
2º lugar: Sem Tempo - Emerson Martins
3º lugar: Encontro de Gerações - Adair de Freitas
Música Mais Popular (eleita pela imprensa): Encontro de Gerações - Adair de Freitas
Melhor instrumentista: Texar Cabral
Melhor intérprete: Emerson Martins
Melhor indumentária: Adair de Freitas
Melhor conjunto vocal: Arco e Flecha
Melhor melodia: Sem Tempo
Melhor arranjo: Sonho Matreiro
Melhor letra: O Arco e Flecha
1º lugar fase local: Há Um Jeito de Ser do Sul - Fabiana Lamaison
2º lugar fase local: Menino da Rua - Tuny Brum
3º lugar fase local: Pra Repontar a Esperança – Vinícius Franco
Letra Vencedora:

O Arco e a Flecha

Poesia é flecha, a alma é um arco
Futuro é um alvo que a alma tem
Estamos todos no mesmo barco
Se ele naufraga vamos também

Poesia é flecha que se projeta
Pelas nações que de fome choram
A alma é um arco nas mãos do poeta
Caçando as feras que nos devoram
A flecha corta os confins do mundo
Sangrando as chagas que a fome fez
Povos inteiros já moribundos
Matando um sonho de cada vez

O arco fica mas manda a flecha
E mostra o rumo sem hesitar
A flecha é força que tudo pecha
Quanto é justiça cortando o ar

São arco e flecha sempre em vigília
Que essa miséria tem rosto e nome
Nos calcanhares dessas matilhas
Que se sustentam de sangue e fome

29ª Coxilha




Pesquisa e Reportagem: Rômulo Seitenfus
Foto: Assessoria de Imprensa/ Prefeitura Municipal de Cruz Alta

Uma forte epidemia da Gripe Influenza H1N1, que comprometeu o estado do Rio Grande do Sul no inverno de 2009, resultou no cancelamento dos eventos que reunissem aglomeração de pessoas. A Coxilha Nativista, que sempre iniciava sua programação no mês de julho de cada ano, pela primeira vez em sua história, no ano de 2009, ocorreu fora de época. Outubro já havia perdido as baixas temperaturas do inverno gaúcho e o frio não era mais característica naquele período. O charme do inverno havia passado e a Coxilha Nativista perdia a sua identidade visual. As pessoas não vestiram seus palas e, diferente dos anos anteriores, os cobertores e acessórios para o frio não faziam parte da plateia. O público estava diminuído em quantidade, foi o ano de menor prestígio da história do festival. Mas a epidemia não foi motivo de cancelamento para o maior evento da cidade de Cruz Alta. O prefeito Vilson Roberto dos Santos nomeara como Secretário de Cultura naquele ano, Alex Della Méa. Conhecedor de todas as edições do festival, desde a primeira em 1981, até a mais recente, além de acompanhar como espectador, teve músicas de sua autoria lançadas em diversas edições do evento. Cabia a ele naquele momento, organizar a mais desafiadora de todas as edições já realizadas, a 29ª Edição.
O Corpo de Jurados foi composto por Adão Quintana, Gérson Fogaça, Dorval Dias, Paulo Bratt e Miguel Marques.
De Miguel Bicca, Máximo Fortes e Digo Oliveira e interpretada por Leonardo Paim, “O Meu Silêncio Tem Voz” foi a grande vencedora.

Premiação da 29ª Edição da Coxilha Nativista:

1º Lugar Fase Geral: O Meu Silêncio Tem Voz
2º Lugar Fase Geral: Sem Chão Pra Pisar
3º Lugar Fase Geral: Sangue

1º Lugar Fase Local: O Grito dos Sentinelas
2º Lugar Fase Local: Identidade e Raiz
3º Lugar Fase Local: Pra Parceriar um Milonga

Musica Mais Popular: O Grito dos Sentinelas
Melhor Pesquisa: Eraci Rocha – Sem Chão Pra Pisar
Melhor Instrumentista: Tiago Abib – Depois de Léguas Tranqueadas
Melhor Letra: O Meu Silêncio Tem Voz
Melhor Arranjo: Sangue
Melhor Conjunto Instrumental: O Grito dos Sentinelas
Melhor Conjunto Vocal: O Meu Silêncio Tem Voz
Melhor Indumentária: O Grito dos Sentinelas

Música Vencedora da 29ª Coxilha Nativista:

O Meu Silêncio Tem Voz – Leonardo Paim
Letra: Miguel Bicca – Máximo Fortes
Música: Digo Oliveira

A solidão quando lavra,
Vai aflorando desgostos
E afunda sulcos no rosto,
Mostrando a força que tem;
Se a gente acha que passa,
Por desigual e desgraça,
Ai mesmo que ele vem.

É talentosa e desenha
As bailarinas no fogo,
As crespas águas do açude
E abrindo os olhos sem medo,
Espalha com as mãos o vento,
Paridas pelo arvoredo!

Por isso que eu sempre digo:
“Que o meu silêncio tem voz”
Tem a prece da saudade
Buscando verdade e paz.
Num simples quarto de lua
Vê destinos que se apertam,
E um olhar correndo rua,
Embretado nas cidades!

Um dos jujos que mais cura,
É o afeto benfazejo,
Da parceria que se tem
E apesar de dividido,
Pro cachorro e pro cavalo,
A solidão, ao ceva-lo,
É um tipo de amor também.

Disco da 29ª Edição da Coxilha Nativista:

O Meu Silêncio tem Voz – Leonardo Paim
(Letra: Miguel Bicca / Máximo Fortes / Música: Digo Oliveira)
Sem Chão Para Pisar - Maurício Barcellos
(Letra/Música: Leonardo Sarturi)
Sangue – Piriska Grecco
(Letra: Rodrigo Bauer / Juca Moraes / Música: Érlon Péricles)
O Grito dos Sentinelas – Fernando Carvalho e Adams Cezar
(Letra: Volmar Camargo / Música: Marcelo Cortes de Carvalho)
Relíquias Missioneiras – Cristiano Quevedo / Juliano Moreno
(Letra: Vagner Pizzolotto da Costa / Música: Juliano Moreno / Érlon Péricles)
Depois de Léguas Tranqueadas – Jean Kirchoff
(Letra/Música: Igor Silveira)
Pescoceiro – Rainiére Spohr / Leôncio Severo
(Letra: Zeca Alves / Música: André Teixeira)
Identidade e Raiz – Gabriel Moraes
(Letra: Jorge Nicola Prado / Música: Arthur Bonilla)
Águas do Tempo – Adams Cezar
(Letra: Jaime Brum Carlos / Música: Adams Cezar)
Hace Tiempo – Cristiano Quevedo / Érlon Péricles
(Letra: João Stimamilio Santos / Música: Nelson Cardoso Mena)
De Homens e Tropas – Raul Quiroga
(Letra: Luciano Ferreira / Música: Raul Quiroga)
Pra Parceriar Uma Milonga - Gabriel Moraes
(Letra: Luiz Carlos Guerreiro / Música: Leonardo Diaz Morales)
A Solidão – Leonardo Paim
(Letra/Música: Adair de Freitas)
Olhando a Vida do Rio – Shana Muller
(Letra: Tadeu Martins / Música: Lênin Nuñes)
Mateando Só – Marcelo Cachoeira
(Letra: Jaime Izquierdo / Música: Osmar Carvalho)

Coxilha Piá

Milonga de Constâncio Soledad – Tarciane Maiara Cabral Tebaldi
(Letra: Jaime Brasil / Música: Ricardo Freire)
Carreira de Campo – Nicole Carrion
(Música: Gujo Teixeira / Juliano Gomes / Leonel Gomes)

28ª Coxilha




Pesquisa e Reportagem: Rômulo Seitenfus
Foto: Site Perdidos Na Noite

O ano era 2008 e Vilson Roberto Bastos dos Santos encaminhava-se para o final do seu primeiro mandato como prefeito municipal e naquele ano aconteceu sua reeleição. O Secretário de Cultura Rossano Cavalari trazia o tropeirismo como reflexão e inspiração maior. O secretário convocara universidades do estado para discutir com antecedência o evento e os assuntos que resgatariam a história de um povo. Como Cruz Alta é uma cidade fundada por tropeiros, nada mais justo que aprofundar as discussões sobre o tema.
O Corpo de Jurados foi composto por João de Almeida Neto, Luiz Onério Pereira, Miguel Bicca, Pedro Figueiredo e Sérgio Rosa. Os apresentadores naquele ano foram Maria Luiza Benitez e Analise Severo.
Na primeira noite foi realizada a fase local, não deixando nada a desejar em qualidade para a fase geral.
Durante todo o festival o Ginásio Municipal manteve-se lotado. O Acampamento Lenda da Panelinha no Parque Integrado de Exposições, além de muita música e festas de acampamento, contou com atrações que movimentaram o ambiente. O Bolichão Nativista, o Rodeio das Gineteadas, a Coxilha Piá, o Rally das Coxilhas, a Gincana Nativista.
A música “Justimiano Carrapicho” vence a 28ª Coxilha Nativista.

Premiação da 28ª Coxilha Nativista

1° Lugar: Justimiano Carrapicho
2° Lugar: Os Iguais
3° Lugar: Só Mesmo Você
Música Mais Popular:
Melhor Arranjo:
Melhor Instrumentalista:
Melhor Letra:
Melhor Intérprete: Jean Kirchoff – Leonardo Paim
Melhor Conjunto Instrumental: Paulinho Goulart
Melhor Conjunto Vocal:
Melhor Indumentária: Juliano Javoski

Vencedores da Fase Local

1° Lugar: Rezando Milonga
2° Lugar: Na barraca à Moda Antiga
3° Lugar: A Cada Aurora




Música Vencedora da 28ª Coxilha Nativista - 2008

Justimiano Carrapicho – Ângelo Franco, Juliano Moreno e Érlon Péricles
Letra: João Sampaio e Diego Muller
Música: Érlon Péricles

“A poeira negra do progresso
Tisnou os anseios que trago
Do cerne antigo do pago
Carrego o brasão impresso
Dos que adubaram o progresso
Nos repontes e tropeadas
Vejo meu sonho na estrada
Engolido pelo tempo
E assovio contra o vento
Cada copla desta toada”

No coice da polvadeira
Junto com grito de eira
Não te engofas o fiador
Empurra gado cargoso
Campeando bandeira e pouso
Nas léguas do corredor

Índio do passo da tigra
Estampa de marca antiga
Dos dois lados do Uruguai

Quando a tarde se enfumaça
Estala um reio de braça
Dolatreando um sapucai

São muitas luas de tropa
E a saudade que se ensopa
De verde de descampado

Justimiano alma estradeira
Vai com a tua da receira
Cantando coplas pro gado

De Garrucho a Vacaria
Vai o “véio” Carrapicho
Num grito de atoraldia

Marca de casco e sereno
O mundo ficou pequeno
Berrando a tropa se foi

A tropa vai nas planuras
Se sumindo nas lonjuras
Berrando triste a soleada

E dontingo a Carrapicho
Se vai atrás de um cambicho
De apaleve perfumar

E o gado berra tristonho
Atrás do fago medonho
Enquanto a tarde cessou

E o missioneiro Carrapicho
Também com água de bicho
Rulminam pelo Senhor

Disco da 28ª Edição da Coxilha Nativista:
1 - JUSTIMINIANO CARRAPICHO - Angelo Franco/ Juliano Moreno/ Érlon Péricles
(João Sampaio / Diego Muller/ Érlon Péricle)
2 - OS IGUAIS - Jean Kirchoff e Leonardo Paim
(Telmo Vasconcelos / Eduardo Monteiro da Silva)
3 - SÓ MESMO VOCÊ - Daniel Torres
(Talo Pereira / Robson Barenho)
4 – FLOREIOS DA BEIJA – FLOR - Juliano Javoski
(Wilson Vargas)
5 – REZANDO MILONGA - Leonardo Diaz Morales
(Jorge Nicola Prado / Leonardo Diaz Morales)
6 – NA BARRACA À MODA ANTIGA - Fernando De Carvalho
(Volmar Camargo / Marcelo de Carvalho)
7 – A CADA AURORA - Felipe Mello
(Juca Moraes / Edson Macuglia)
8 – CABORTEIRA - Jean Kirchoff
(Carlos Omar Villela Gomes / Jean Kirchoff)
9 – DE BOIS E GRÃOS - Miguel Marques
(João Ari Ferreira / Natalin Delevatti / Piero Ereno)
10 – A MÃO ESQUERDA DE UM SÁBIO - Arthur Bonilha
(Carlos Omar Villela Gomes / Arthur Bonilha)
11 – ABRINDO CANCHA - Mauro Moraes
(Mauro Moraes)
12 – MEU PONCHO - Cristiano Quevedo
(Zeca Alves / Érlon Péricles / Cristiano Quevedo)
13 – A RAIZ QUE BROTA NO CANTO - Marco Aurélio Vasconcellos
(Mártin César / Alessandro Gonsalves)
14 – QUENDO UM TEMPO PUXA AS RÉDEAS - Vinícius Brum
(Tadeu Martins / Lenin Nunes)
15 – O MEU MOURO LEVA MOÇA - Jarí Terres
(Gujo Teixeira / Mauro Moraes)

27ª Coxilha




Pesquisa e Reportagem: Rômulo Seitenfus
Foto: Site Guia Digital

Cristiano Quevedo sorriu com os olhos ao interpretar a música que venceu o festival naquele ano. “O Sorriso dos Olhos”, letra de Túlio Souza e Música de Piero Ereno, conquistou os jurados e o público presente, vencendo o festival de 2007.
O Corpo de Jurados foi composto por Alexandre Takahama, Jorge Freitas, Jorge Nicola Prado, Juca Moraes e Sabani Felipe de Souza.
O Secretário de Cultura, Rossano Viero Cavalari, novamente inspirou-se em discussões organizadas por ele em seminários que antecederam o evento. A noite de abertura foi representada por um enorme cortejo. As raízes, os filhos e a história de Cruz Alta, traziam a herança genealógica dos 219 municípios gerados por Cruz Alta durante o percurso histórico. Rossano trouxe à Cruz Alta o maior número de prefeitos e representantes que a cidade já viu. Cada qual carregando a bandeira de seu município emocionou os presentes da 27ª Coxilha Nativista. Os apresentadores Maria Luiza Benitez e Zeca Amaral anunciaram a entrada das bandeiras sob os aplausos do público. A entrada triunfal de um tropeiro, um padre e um índio, que carregaram as bandeiras de Cruz alta, do Rio Grande e do Brasil, marcaram a representação desse momento histórico.
“Quando o Campo Fala em Mim”, interpretada por Jean Kirchoff com letra e música de Ramires Monteiro, conquista o segundo lugar.
O terceiro lugar ficou para “Certa Noite Aos Pés da Lua”, interpretada por Ângelo Franco. Com letra de Carlos Omar Vilela Gomes e música de João Bosco Ayala e Pedro Guerra.
“Repartindo a Tarecana” venceu como Música Mais Popular. O Melhor Arranjo contemplou a também grande vencedora, “O Sorriso dos Olhos”. Paulinho Goulart vence como Melhor Instrumentalista. “O Relógio é Um Coração” conquista com a Melhor Letra e Jean Kirchoff vence como Melhor Intérprete. O Melhor Conjunto Instrumental ficou com o primeiríssimo “O Sorriso dos Olhos”, que também contempla o troféu de Melhor Conjunto Vocal. A Melhor Indumentária é de Marcelo Pimentel.

Vencedores da 27ª Edição Coxilha Nativista

1° Lugar: O Sorriso dos Olhos
2° Lugar: Quando o Campo Fala em Mim
3° Lugar: Certa Noite aos Pés da Lua
Música Mais Popular: Repartindo a Tarecana
Melhor Arranjo: O Sorriso dos Olhos
Melhor Instrumentalista: Paulinho Goulart
Melhor Letra: O Relógio é um Coração
Melhor Intérprete: Jean Kirchoff
Melhor Conjunto Instrumental: O Sorriso dos Olhos
Melhor Conjunto Vocal: O Sorriso dos Olhos
Melhor Indumentária: Marcelo Pimentel

Vencedores da Fase Local

1° Lugar: Quando se Cala o Galpão
2° Lugar: Instantes de Vida
3° Lugar: Na Beira das Linhas dos Tucos

Música Vencedora da 27ª Coxilha Nativista - 2007
O Sorriso dos Olhos – Cristiano Quevedo
Letra: Túlio Souza
Música: Piero Ereno

A paz é o sorriso que verte dos olhos
De quem têm nos olhos os olhos de alguém
A paz se acomoda nas mãos o carinho
Fazendo seu ninho a paixão de quem tem
Podia ser patas riscando o campo
Pois ter liberdade também e ter paz
Mas quis ser o brilho mais puro e singelo
Que o riso sincero que em teus olhos me traz
A paz pode ser de campo e de rio
Ser livre ao galope ser calma ou remanso
Mas tenho uma paz que toma meu peito
Que doma meu jeito
Num beijo me amanso
A linda morena que afaga minh' alma
É um rio de carinhos na calma do poço
Te peço morena alaga meu campo
Com águas de amor dá vida este moço
Podia ser barco sem remo a deriva
Vagando em silêncio num rio sem fim
Mas quis o destino que fossem luzeiros
Teus olhos pequenos sorrindo pra mim


Disco da 27ª Edição da Coxilha Nativista - 2007

O Sorriso dos Olhos – Cristiano Quevedo
Letra: Túlio Souza
Música: Piero Ereno

Quando o Campo Fala em Mim – Jean Kirchoff
Letra: Ramires Monteiro
Música: Ramires Monteiro

Certa Noite, aos pés da Lua – Ângelo Franco.
Letra: Carlos Omar Vilela Gomes
Música: João Bosco Ayala e Pedro Guerra

Repartindo a Tarecama – Davi Menezes Junior e Paulinho Reis
Letra: Marco Antonio Nunes
Música: Edson Vargas

O Relógio é Um Coração – Leonardo Paim
Letra: Gujo Teixeira
Música: Artur Bonilla

Na Beira Linha dos Tucos – Sandro Fogaça e Angelino Rogério
Letra: Volmar Camargo
Música: Sandro Fogaça Martins

A Primeira Coxilha – João de Almeida Neto
Letra: Fernando González e João Almeida Neto
Música: João Almeida Neto

O Sol, a Terra e a Lua – Pirisca Grecco
Letra: Rodrigo Bauer
Música: Pirisca Grecco

Comenda Pra Tio Adauto – Nilton Ferreira
Letra: Luciano Ferreira
Música: Diogo Matos

A Estrela que Vive em Ti – Juliana Spanevello
Letra: Carlos Omar Vilela Gomes
Música: Diogo Matos

Quando se Cala o Galpão – Leonardo Diaz Morales
Letra: Flaubiano Lima
Música: Angelino Rogério

Culo e Suerte – Cristiano Quevedo
Letra: Heleno Cardeal
Música: Lanes Cardeal

Milonga em Tom de Quem Chora – João de Almeida Neto
Letra: Èrlon Péricles
Música: Èrlon Péricles

Instantes de Vida – Nando Soares
Letra: Dudu Amarante
Música: Nando Soares

Antes que Sumam as Estâncias – Nilton Ferreira
Letra: Francisco Luçardo
Musica: Paulo Ricardo Saavedra

Campo e Luz – Priscila Olave
Letra: Lisandro Amaral
Musica: Cristiano Camargo

Meu Rio de Saudade – Deise Veiga
Letra: Luiz Godinho
Musica: Zulmar Benitez

26ª Coxilha




Pesquisa e Reportagem: Rômulo Seitenfus
Fotos: Arquivo Jornal Estilo

O Secretário Rossano Viero Cavalari havia se inspirado na história de Cruz Alta vinculada ao Legado Missioneiro. No ano de comemoração aos 250 anos de Sepe Tiaraju, Jorge Freitas subiu no palco da 26ª Coxilha Nativista para defender a música que venceu o festival de 2006. “Como Se Morre Um Homem Valente” é uma homenagem à Sepe Tiaraju, índio criado pelos padres jesuítas que buscou a paz, mas acabou tendo de lutar pelas terras missioneiras. De autoria de Gujo Teixeira e Sabani Felipe de Souza, tem como ritmo rasguido doble.
O segundo lugar desse ano ficou para “De Alma Canto e Silêncio”, Marcelo Oliveira e Lisandro Amaral, com autoria de Fernando Soares, Juliano Gomes e Everson Maré.
O terceiro lugar ficou para “Jeito de Viração”, na interpretação de Piriska Grecco, com autoria de Carlos Omar Vilela Gomes e Jair Oliveira Medeiros.
A Música Mais Popular ficou com “Pois é Morena”. O Melhor Arranjo foi para “Jeito de Viração” e o Melhor Instrumentalista foi Fabiano Torres. Como Melhor Letra foi escolhida “Como se Morre Um Homem Valente”, que também venceu o festival. O Melhor Intérprete foi Jorge Freitas e o Melhor Conjunto Instrumental ficou para De Alma, Campo e Silêncio. Melhor Conjunto Vocal do Grupo Status e a Melhor Indumentária de Tropa Ponta Cortada.
Os apresentadores foram David Menezes Jr. e Maria Luiza Benitez. Os Jurados naquele ano foram Ângelo Franco, Edison Macuglia, João Sampaio, Lenin Nuñes e Mauro Moraes.

Premiação da 26ª Edição da Coxilha Nativista

1° Lugar: Como se Morre Um Homem Valente
2° Lugar: De alma, Campo e Silêncio
3° Lugar: Jeito de Viração
Música Mais Popular: Pois é Morena
Melhor Arranjo: Jeito de Viração
Melhor Instrumentalista: Fabiano Torres
Melhor Letra: Como se Morre Um Homem Valente
Melhor Intérprete: Jorge Freitas
Melhor Conjunto Instrumental: De Alma, Campo e Silêncio
Melhor Conjunto Vocal: Grupo Status
Melhor Indumentária: Tropa Ponta Cortada

Vencedores da Fase Local

1° Lugar: Pois é Morena
2° Lugar: Bem Gaúcha
3° Lugar: Doze Braças de Carinho

Vencedoras da 22ª Coxilha Piá

Cantor Negro – Lucas Otarão de Lima
(João Antonio)

Por Bendizer-te – Ana Paula Lima da Silva
(Jairo “Lambari” Fernandes)

Jurados: Taine Shettert, Dartagnan Portela, Felipe Melo, Alexandre Takahama e José Alves de Souza

Letra Vencedora 26ª Coxilha Nativista - 2006

Como se Morre Um Homem Valente – Jorge Freitas
(Gujo Teixeira – Sabani Felipe de Souza)

Vai pelo tempo nestas terras do Rio Grande
Um povo índio que se ergueu da própria fé
E um guerreiro que entre a paz se fez na guerra
E pela terra teve o nome de Sepé
Nas reduções, nas palavras dos jesuítas
Tinha o progresso desta terra missioneira
Mas sob as pedras e o olhar dos sete povos
Cruzaram as tropas de espanhóis e suas bandeiras
Então Sepé Tiaraju clamou ao céu
Contra os tratados assinados além mar
E o povo índio guarani de São Miguel
Empunhou lanças de bravura pra lutar
E eram lanças e cavalos contra as armas
E eram valentes contra a força dos canhões
Mas pouco a pouco foram erguendo-se as cruzes
E foi tombando o povo e o sonho das missões
E um dia um índio no comando de sua tropa
Contra o que os céus lhe avisavam por perigo
Tombou na terra em que lutou porque era sua
Na dor da lança e da garrucha do inimigo
Talvez a força do lunar que tinha a fronte
Guiasse o rumo verdadeiro de sua terra
Talvez por isso que no lombo de um tordilho
Buscasse a paz, e mesmo assim achou a guerra
Sobre esta terra uma história foi escrita
Que não findou nos campos de Caiboaté
Vive em quem sabe que esta terra ainda tem dono
Alma gaúcha e missioneira de um Sepé
Vai na coragem de cair, se erguer de novo
Sangrar na luta, mas querer seguir em frente
Mostrar pro tempo e pra história deste pago
Como se vive e se morre um homem valente

Disco da 26ª Coxilha Nativista - 2006

Como se Morre Um Homem Valente – Jorge Freitas
(Gujo Teixeira – Sabani Felipe de Souza)
De Alma, Campo e Silêncio – Marcelo Oliveira e Lisandro Amaral
(Fernando Soares – Juliano Gomes – Everson Maré)
Jeito de Viração – Piriska Grecco
(Carlos Omar Vilela Gomes – Jair Oliveira Medeiros)
Pois é Morena – Cesar Silveira
(César Silveira)
Tropa Ponta Cortada – Cristiano Quevedo
(Miguel Bicca – Sabani Felipe de Souza)
Sete Nações e Uma Cruz – Grupo Status
(Mario Amaral – Claudio Amaro)
Bem Gaúcha – Angelino Rogério, Leonardo Diaz Morales, Sandro Fogaça e Embalo Nativo
(Jorge Nicola Prado – Sandro Fogaça)
Doze Braças de Carinho – Fernando Soares
(Eduardo Neves do Amarante – Fernando Soares)
Galponeiros – Flávio Hansen
(João Santos – Carlos Madrugada)
Quem Sabe as Voltas do Mundo – Joca Martins e Marcelo Oliveira
(Rodrigo Bauer – Joca Martins)
Baldas de Potro Cuiudo – Joca Martins
(Anomar Danúbio Vieira – Fabrício Harden)
Aflições – Tuny Brum
(Vinicius Brum – Tony Brum)
Cruzando na “Villa Ansina” – Piriska Grecco
(Anomar Danúbio Vieira – Juliano Gomes)
Querência do Coração – Adair de Freitas
(Alvandy Rodrigues – Adair de Freitas)
Doma Gaúcha – Ricardo Martins
(Marco Aurélio Lemos – Ricardo Martins – Marcelo Nunes)

25ª Coxilha




Pesquisa e Reportagem: Rômulo Seitenfus
Foto: Site Guia Digital

Eram exatamente vinte horas e trinta minutos de quinta-feira quando foi iniciada a 25ª edição da Coxilha Nativista. A única na história do festival até então a produzir discos duplos, sendo o primeiro para a fase local e o segundo para a fase geral. A edição de 2005 gerou músicas importantíssimas. Era o início da primeira gestão do prefeito Vilson Roberto dos Santos. O Secretário de Turismo naquele ano era Luiz Noé e o Secretário de Cultura era Rossano Viero Cavalari que, como bom pesquisador, procurou buscar na história cultural o caminho perfeito para a realização inovadora da Coxilha Nativista. Desenvolveu seminários em diferentes cidades do estado para ouvir histórias culturais, inspirando-se na cultura dos povos e buscando o resgate necessário para a produção de novos paradigmas. Antes de cada acontecimento, o secretário discutiu com a imprensa e população através de seminários realizados na Casa de Cultura Justino Martins em Cruz Alta e em outras cidades do estado. Segundo o secretário, tudo para aparar as arestas e lapidar o evento. Erico Verissimo era o grande homenageado para louvar a cultura literária.
Os apresentadores foram Gabriel Moraes e Maria Luiza Benitez.
Mesmo com a redução do número de músicas por compositor para cinco, a triagem para a 25ª Coxilha Nativista registrou número recorde de inscrições. Foram aproximadamente 650 músicas ouvidas pelos jurados para a escolha das dez concorrentes da fase local, dez da geral, dez da Piá e dez da Piá Taludo.
João Bosco Ayala Rodrigues, Glênio Fagundes, Valdomiro Maicá e Leonardo Díaz Morales, integraram o corpo de jurados. O quinto componente, Luis Menezes, não pôde comparecer por ter contraído pneumonia, sendo substituído por Adair de Freitas.
Na fase geral, subiram ao palco Quem Vem Lá, Amor Mio, Se Te Vás, A Hora do Sétimo Anjo, À Luz da Milonga, A Estância do Amanhecer, Que Tem Nome de Querência, A Palavra, A Mão do Tempo, Milonga Para Um Teatino, Além de Todos os Extremos, Pouso de Cruz Alta, Assovios e Pesares, Peón de Campo y Guitarrero, Trilha de Eira, Canção de Amor e Despedida. Na fase local, apresentaram-se Deusa dos Poetas, Confraria, Benzedura, Doces Lembrança, Marias de Ferro, No Pulsar da Canção, De Homens e de Facas, Liga de Prata, Fundi de Carne e Oveia, Conselho de Um Domador.
“A Hora do Sétimo Anjo” vence a 25ª Coxilha Nativista. A música retrata um romance inacabado de Erico Verissimo. O autor, Carlos Omar Vilela Gomes, cita na letra grande parte das obras do escritor cruz-altense. “Pouso da Cruz Alta”, que conquistou o segundo lugar, retrata a instalação jesuítica.

Premiação da 25ª Edição da Coxilha Nativista

1° Lugar: A Hora do Sétimo Anjo
2° Lugar: Pouso da Cruz Alta
3° Lugar: Além de Todos os Extremos
Música Mais Popular: Fundi de Carne de “Oveia”
Melhor Arranjo: A Luz que Verte dos Sonhos
Melhor Instrumentalista: Thiago Quadros
Melhor Letra: A Palavra
Melhor Intérprete: Mauricio Barcellos
Melhor Conjunto Instrumental: Além de Todos os Extremos
Melhor Conjunto Vocal: Pouso da Cruz Alta
Melhor Indumentária: Juliano Javoski

Vencedores da Fase Local

1° Lugar: Marias de Ferro
2° Lugar: Fundi de Carne de “Oveia”
3° Lugar: Benzeduras

Jurados: Leonardo Diaz Morales, João Bosco Ayala Rodrigues, Valdomiro Maicá, Adair de Freitas e Glênio Fagundes

Vencedores da 21ª Coxilha Piá

Categoria Piá Taludo: Érika Martins Lopes – Amada Amiga

Categoria Piá: Alexandre Barreto – Canto de Ausência

Jurados: Teiva Schettert, Roberto Basílio, Paula Vicentini. Ângelo Franco e Victor Cezar Klein

Música Vencedora da 25ª Coxilha Nativista - 2005

A Hora do Sétimo Anjo – Piriska Grecco
(Carlos Omar Vilela – Sabani Felipe de Souza)

A pena antes tão firme que doce na folha branca
A mão que lhe sustentava estava agora tão fria
Final de vida com jeito de romance inacabado
Um solo de clarineta tomando a noite vazia

Se calam tantos fantoches quando o vento é rebeldia
O tempo mostrando as garras vem ceifar outra existência
A alma do escritor verte amor se faz poesia
E a cruz que lhe acompanha é a cruz da sua querência

Uma música ao longe ecoou na imensidão
Talvez seja essa passagem, mais um livro a começar
A vida pode ser poeira a escorrer por entre as mãos
Mas a alma nessa hora é raiz de cambará

O rumo da liberdade não tem caminhos cruzados
Os lírios não se desbotam quando a terra é o sentimento
Mais um contador de história seguindo pra eternidade
Deixando suas pegadas pelo tempo e pelo vento

Então em vez da trombeta, tocou o Sétimo Anjo
Um solo de clarineta no seu tom de despedida
A voz de Deus sussurrando, aos poucos foi lhe mostrando
Que os sonhos que plantamos são maiores que essa vida

Disco da 25ª Coxilha Nativista – 2005
(foto do disco)

A Hora do Sétimo Anjo – Piriska Grecco
(Carlos Omar Vilela Gomes – Sabani Felipe de Souza)

Pouso da Cruz Alta – Juliano Javoski
(Sergio Aragonês – Juliano Javoski)

Além de Todos os Extremos – Mauricio Barcellos
(Mauro Marques – Mauricio Barcellos)

Quem Vem Lá – Oristela Alves
(Mário Eleú da Silva- Tuny Brum)

Que Tem Nome de Querência – Marcelo Oliveira
(Gujo Teixeira – Luiz Marenco)

Peon de Campo Y Guitarrero – Lúcio Yanel
(Anomar Danúbio Vieira – Lucio Yanel)

A Palavra – Jorge Freitas
(Jorge Nicola Prado – Jorge Freitas – Edison Macuglia)

À Luz da Milonga – Mauro Moraes e Piriska Grecco
(Anomar Danúbio Vieira – Mauro Moraes)

Rancheirinha – Miguel Marques, Ângelo Franco e Jorge Freitas
(Juca Moraes)

Milonga Para Um Teatino – João de Almeida Neto
(Jorge Nicola Prado – Juca Moraes – Arthur Bonilla)

Canção de Amor e Despedida – Robledo Martins
(Adão Quevedo)

A Mão do Tempo – Mauricio Barcellos
(Paulo Fleck – Mauricio Barcellos)

24ª Coxilha




Pesquisa e Reportagem: Rômulo Seitenfus
Foto: Arquivo Jornal Estilo

Das mais de 500 músicas inscritas, 19 foram escolhidas para subir ao palco da fase estadual e as 12 da fase local. A comissão julgadora - composta por Francisco Alves, Nelcy Vargas, Beto Barcelos, Gaspar Machado e Nilton Ferreira - revelou à imprensa que o nível surpreendeu. Isso causou grande expectativa por parte do público.
Para a fase local, foram julgadas no palco: De Empreitada e Bico, Pra Recomeçar, Temporais, Hermano Cantar, Das Águas Fundas, Musa de Prata, Pela Cartilha da Encilha, A Luz dos Olhos, No Pulsar da Canção, Queixas de Posteiro, A Gaita, Versos e Rimas. Para a fase estadual, A Encomenda, Terra, A Razão das Esporas, O Canto das Esporas Andarilhas, Com o Sul No Coração, Nos Corredores da Alma, Águas, Vidas e Remansos, Da Vida Tropeira, Cancioneira, A Volta do Missioneiro, Pela Lembrança, Nos Confins de Algum Rincão, Das Razões do Canto, A Luz Que Verte dos Sonhos, Fronteiras da Alma, Entre Mates e Guitarras e Ofício de Quera.
Os artistas que fizeram shows foram: José Mendes Jr., Neto Fagundes e Estado das Coisas, Renato Borguetti e Orquestra, Tangos e Tragédias.
A grande vencedora da 24ª Coxilha Nativista retrata ao ritmo da milonga, o sofrimento dos animais na doma e nos rodeios. “A Razão das Esporas”, de Armando Vasquez, João e Adão Quintana foi a melhor, na opinião dos jurados à imprensa, entre as 19 composições concorrentes da fase geral.

Premiações da 24ª Edição da Coxilha Nativista:

1° Lugar: A Razão das Esporas
2° Lugar: Pela Lembrança
3° Lugar: Nos Confins de Algum Rincão
Música Mais Popular: Pela Cartilha da Encilha
Melhor Arranjo: A Luz que Verte dos Sonhos
Melhor Instrumentalista: Thiago Abib
Melhor Letra: A Razão das Esporas
Melhor Intérprete: Analise Severo
Melhor Conjunto Instrumental: Nos Confins de Algum Rincão
Melhor Conjunto Vocal: Musa de Prata
Melhor Indumentária: Jorge Freitas

Vencedores da Fase Local

1° Lugar: Musa de Prata
2° Lugar: Hermano Cantar
3° Lugar: Pela Cartilha da Encilha

Jurados: Nilton Ferreira, Chico Alves, Nelcy Vargas, Gaspar Machado e Beto Barcelos

Vencedores da 20ª Coxilha Piá:

Categoria Piá Taludo:
1° Lugar: Tamirez Furtado – A Força

Categoria Piá:
1° Lugar: Erick e Roger Medeiros Batista - Enchendo os Olhos de Campo

Música Vencedora da 24ª Coxilha Nativista - 2004

A Razão das Esporas – João Quintana e Grupo Parceria
(Armando Vasques – João Quintana – Adão Quintana)

Não vejo nobreza alguma
Nas domas de judiaria
Nem dou razão as esporas
Em sua cruel sangria

Pras domas basta coragem
Pra quem se diz domador
Os potros se amansariam
Sem sentir tamanha dor

Já chega os vergões de mango
Que sob o lombo se vê
Laçassos sogaço e gritos
Esporas não sei pra que

Como pode um ginete indiferente
Sangrar esporas nas domas de judiação
Se o potro sente a mesma dor que gente sente
Quem se garante tira as coscas no garrão

Que seja a espora um complemento para as pilchas
Que sejam as domas mais humanas campo à fora
Já basta mango amadrinhador e grito
Quem se garante não precisa das esporas

Quem sejam as domas racionais sem as esporas
E o ginete à ginetear sem se exceder
Quando as domas se amansarem potro e homem
O fio de espora não terá razão de ser

Espora estrela que cala
No peludo pala
Do potro que berra
De furo e de dor

Estrela afiada que faz bebedouro
Bebendo no coro o sangue e o suor

Disco da 24ª Coxilha Nativista – 2004
(foto do disco)

A Razão das Esporas – João Quintana e Grupo Parceria
(Armando Vasques – João Quintana – Adão Quintana)

Pela Lembrança – Jorge Freitas
(Gujo Teixeira – Sabani Felipe de Souza)

Nos Confins de Algum Rincão – Amilton Brum e Nenito Sarturi
(Marco Antonio Nunes – Amilton Brum)

Musa de Prata – Sinval Araújo e Grupo Os Paisanos
(Luiz Onério Pereira – Sinval Araújo)

Pela Cartilha da Encilha – Leandro Cunha
(Volmar Camargo – Sinval Araújo)

Hermano Cantar – Leonardo Diaz Morales
(Felipe Mello – Edson Macúglia)

A Luz que Verte dos Sonhos – Analise Severo
(Juca Moraes – Diogo Matos)

Das Razões do Canto – Adair de Freitas
(Adair de Freitas)

Terra – Robledo Martins
(Cristian Davesak/ M. Paulo Timm)

Fronteiras da Alma – Arthur Bonilla e Ricardo Martins
(Rossano Viero Cavalari – Arthur Bonilla)

Ares de Chuva – Miguel Marques
(Valdir Disconzi/ Horácio Bitencourt)

Com o Sul no Coração – Leôncio Severo
(Gujo Teixeira / Erlon Péricles)

A Volta do Missioneiro – Júlio Saldanha e Grupo
(Salvador Lamberty/ Sérgio Rosa)

A Encomenda – Marcelo Oliveira
(João Ari Ferreira e Piero Ereno/ Sabani Felipe de Souza)

Das Águas do Poço Fundo – Victor Klein
(Volmar Camargo - Thiago Araújo – Leonardo Soares)

Cancioneira – Marines Siqueira
(Salvador Lamberty, Marines Siqueira e Celso Braz)

Enchendo os Olhos de Campo - Erick e Roger Medeiros Batista
(Gujo Teixeira – Luiz Marenco)

A Força – Tamirez Furtado
(Vaine Darde/ Carlos Catuípe)

23ª Coxilha




Pesquisa e Reportagem: Rômulo Seitenfus
Fotos: Arquivo Jornal Estilo

As fases estadual e final do festival foram realizadas no Ginásio Municipal com Show de Intervalo do cantor Elton Saldanha. O ano era 2003 e o prefeito, José Westphalen Corrêa - juntamente com o secretário de Cultura, Desporto e Turismo, Luiz Jardim – voltava ao ginásio de esportes que leva seu nome para presenciar a 23ª edição.
Os jurados Rossano Cavalari, João Alberto Pretto, Everton Ferreira, Lúcio Yanel e Vaiane Darde escolheram as vencedoras entre as músicas Na Poeira da Rancheira, Baile de Rancho, O Ciclo da Semente, Retrato de Agosto, Das Peleias, Das Encruzilhadas, Pequeno Campesino, Bandeira de Canções, Vasto, O Alfaiate, A Primeira Ponte e Andanças, da fase local e, Pra Alma, Lua dos Poetas, Pai, De Lua e Esperança, Huellas, Mãe Guarani, O Cantar Que Nos Hermana, Direitos Iguais, Estampa de Peão Fronteiro, Depois Das Linhas Do Tempo, Alma de Rio, Em Cada Chuva, Fé, Contraponto da Saudade, Vuela a Tu Rumbo, Um Milongão do Veiaco, M’Boiatá, El Refugio de Mi Nines e Pedro, Pedra e Pó, da fase estadual.
A programação contou com Os Garotos de Ouro, que animaram o fandango oficial do evento no Pavilhão I do Parque Integrado de Exposições. No sábado, Oswaldir e Carlos Magrão subiram ao palco do festival, pela segunda vez na história da Coxilha Nativista.
“Lua dos Poetas” foi a grande vencedora.

Premiações da 23ª Edição da Coxilha Nativista

1° Lugar: Lua dos Poetas
2° Lugar: Um Milongão dos Veiaco
3° Lugar: Vuela a tu Rumbo
Música Mais Popular: O Alfaiate
Melhor Arranjo: Fé
Melhor Instrumentalista: Arthur Bonilla
Melhor Letra: Em cada Chuva
Melhor Intérprete: Robledo Martins
Melhor Conjunto Instrumental: Um Milongão dos Veiaco
Melhor Conjunto Vocal: Vuela a tu Rumbo
Melhor Indumentária: Em Cada Chuva

Vencedores Fase Local

1° Lugar: A Primeira Ponte
2° Lugar: Das Encruzilhadas
3° Lugar: Retrato de Agosto
4° Lugar: O Alfaiate

Vencedores da 19ª Coxilha Piá

Categoria Piá Taludo: Tamires Furtado Barbosa Oliveira
Categoria Piá: Helena Dóris Sala
Melhor Composição Inédita: Um Sonho de Paz – Alana Freire Moraes
(Antonio Augusto Korsak Filho)

Vencedora da 23ª Edição da Coxilha Nativista
Lua dos Poetas – Robledo Martins
(Adão Quevedo)

A lua por serendeja
Vive a espiar pelas frinchas
Derramada sobre a quincha
Dos ranchos onde ela chega

A lua desce ciumenta
Rouba o sereno dos beijos
Das paixões e dos desejos
Que a madrugada acalenta

Lua madrinha das juras
Sussurradas ao ouvido
Sobre o pelego estendido
Nos momentos de ternura

Os casebres pelos campos
É onde a lua mais brilha
Pastoreando suas tropilhas
De estrelas e pirilampos
A lua invade as frestas
Dos mais íntimos segredos
Sabe a inquietude e os medos
Que habitam a alma dos poetas

Disco da 23ª Coxilha Nativista - 2003
(foto do disco)

Lua dos Poetas – Robledo Martins
(Adão Quevedo)

Um Milongão dos Veiaco – Rogério Melo
(Anomar Danúbio Vieira – Mauro Moraes)

Vuele a tu Rumbo – Grupo El Anden
(Martin Cesar Gonsalves – Miguel Dario Diaz)

El Refúgio de Mi Niñez – Jari Terres
(Martin Cesar Gonsalves – Jari Terres)

O Alfaiate – Grupo Embalo Nativo
(José Fogaça – Lucio Cunha – Fabiano Fogaça)

O Cantar que nos Hermana – Piriska Grecco
(Carlos Souza – Erlon Péricles)

Em Cada Chuva – Raul Quiroga
(Raul Quiroga)

Estampa de Peão Fronteiro – Rogério Melo
(Anomar Danúbio Vieira – Mauro Moraes)

Fé – Nilton Ferreira e Piriska Grecco
(Jorge Enio Santos – Luiz Carlos Ranoff)

A Primeira Ponte – Leonardo Diaz Morales e Arthur Bonilla
(Jorge Nicola Prado)

Pedro, Pedra e Pó – Victor Hugo
(Adão Quevedo – Mauricio Marques)

Pai – Nilton Ferreira
(Nenito Sarturi – Nilton Ferreira)

Das Encruzilhadas – Leandro Barcellos
(Jorge Nicola Prado – Sinval Araújo)

Contraponto da Saudade – Cesar Lindemeier
(Érlon Péricles)

Retrato de Agosto – Rodrigo Martins
(Luciano Ferreira – Rodrigo Martins)

Mãe Guarani – Anelise Severo
(Alex Della Méa – Arthur Bonilla)

Senhor das Manhãs de Maio – Helena Doris Sala
(Gujo Teixeira – Luiz Marenco)

Tropas de Maio – Tamires Furtado Barbosa Oliveira
(Dilan Camargo – Newton Bastos)

Um Sonho de Paz – Alana Freire Moraes
(Antonio Augusto Korsak Filho)